Os Verdadeiros Porcos

Poesia por Antiácido Corrosivo

Os Verdadeiros Porcos não são bem aqueles que imaginamos… Arte produzida no Canva.

Os Verdadeiros Porcos
não são aqueles que arduamente
fatiamos para nos alimentar,
mas aqueles que se deleitam
e se alimentam diariamente
do nosso próprio fatiar.
Vermes Escarniçados!
não estão no chiqueiro
mas nos agrilhoam
sempre no mesmo bueiro;
sempiternos, sempre ternos e sempre toscos.
e mais tarde nos imolam.
Miseráveis Desgraçados!

Os Verdadeiros Porcos
nos quais não confio
não são aqueles que crëem em algo,
mas aqueles que fabricam crença
de pensamento vago,
para seu próprio benefício,
aonde vocë não pensa.
Escondem-se na névoa
manipulando tradição
e exercitando a Traição,
controlando os Iludidos
que vivem sempre
Fodidos.

Os Verdadeiros Porcos
não se importam com você.
Fulano, Beltrano e Ciclano,
Trabalho, Religião, Política,
Sociedade, Economia, Showbizz…
o querem pelo que vocë os provë,
não importando o quanto isso lhe arde.
Representando a ambição mais impura
em bolhas exigem a sua clausura.
Sendo Transformados em Zumbis
Todo o Mundo se degladiando
Nenhum deles merece
o romper da União, do Amor, da Amizade.

Os Verdadeiros Porcos
estão tão presos em possuir
que possuem a todos nós.
Nenhum quer se retratar ou redimir.
Querem mesmo é aprisionar e torturar.
Malditos! Para o Inferno todos eles!
Mas um dia o pêndulo volta
e a justiça há de chegar.
Todos estes porcos hão de penar.
É chegado o momento da Revolta.
Nossas (não)vidas serão vingadas
quando olharmos para nós mesmos
e finalmente pudermos enxergar.

Não sei o que está no porvir.
Não há ajuda de nada, ninguém para acudir.
Mas existe uma Verdade:
o que tanto veio ainda voltará.
E sem sombra de dúvidas
A Justiça ainda chegará.
Por enquanto atormentados, esperamos amiúde
triturados por realidades pútridas,
enquanto estas ainda nos aplicarem.
Mas um dia ainda triunfaremos
e Poderemos ser finalmente livres e felizes.
cuspindo em suas carcaças imundas.
quando eles mesmo se envenenarem.

#poesia #prosa #critica #reflexao

Deixe uma resposta