Quarentena: Presos em Casa? – Quarantine: Arrested at Home?

Artigo-Ensaio por Antiácido Corrosivo – Essay Article by Corrosive Antiacid

Imagem do FreePik – Image from FreePik


VERSÃO EM PORTUGUÊS

Eu acho que não.

Diariamente não compomos a nossa vida. Sempre casmurros, sempre assolados, sempre aprisionados. A desgraça guia nossos passos desde muito antes. E agora uma nova epidemia surgiu para podermos rever o que realmente importa.

A poluição destrói o ser humano mais do que a Praga. Os indivíduos não valem mais nada. Ninguém sabe mais nem conversar sem brigar. Nos tornamos apenas robôs malditos de uma realidade deplorável aonde só se busca o esplendor vazio de falsas conquistas e não se busca o que é realmente para ser buscado. Diante disso a peste é, na verdade uma enorme bênção.

É claro que nenhuma epidemia é brincadeira. O vírus está aí e ninguém ainda compreende-o o suficiente para realmente termos prevenção e combate eficazes e eficientes. E é este o propósito da quarentena. É verdade. Não é ficção.

O pesar das vítimas vivas ou mortas é algo que nós precisamos render condolências e melhoras. Cada perda é inestimável e precisamos demonstrar nossa solidariedade com cada uma delas, afinal, só existe uma raça de seres humanos: a raça humana.

Mas o que me refiro aqui é olhar para a epidemia como uma oportunidade. Uma brecha em nossas rotinas para fazermos algo além das meras rotinas. Não aguento mais o meu trabalho e a vida que eu estava levando e este momento é perfeito para mudar, arejar, limpar e lanças as bases da renovação e juntar dinheiro para qualquer encrenca. Ousar e me transformar mais uma vez em algo melhor de mim mesmo, ao invés de simplesmente deixar a podridão me corroer.

Se todo mundo se prestasse a isso, teríamos um mundo melhor. Contudo, por estarmos doentes, apodrecidos, mortos desde a perda da inocência, precisamos de uma nova Catástrofe para nos libertar do torpor, que nos impele ao fundo do poço de merda, com aquele pífio sorriso de quem acha que sabe o que está fazendo, mas se esquece que a vida pode ser algo muito maior.

É claro que a movimentação da Economia é importante, até mesmo porque o governos precisam ter o que tirar para aplicar na vida do povo e também para evitar empréstimos com os bancos internacionais. Ninguém tá questionando isso. Mas a quarentena está mostrando para nós que não precisamos tanto assim de consumir e consumir. Embora ninguém queira, ela precisa ser repensada para abranger este tipo de situação, até porque o Planeta está dando sinais claros que o modo de produção exploratório, neoliberal, competitivo e desenfreado dos homens está acabando com o planeta.

A Criação mais uma vez revolta-se contra aqueles que deveriam preservá-la. Adões e Evas, de tão acomodados com o mundo e tão afundados no lamaçal da Árvore da Morte, nem querem mais cumprir suas obrigações de preservar e cuidar do planeta. A Imago Dei na Natureza e nos homens morre dia após dia. Se a perfeição da Criação revela a grandeza do Criador, o que contempla a destruição dela, pelas nossas próprias mãos?

E eis que vem a Crise, para nos colocar de volta nos eixos. E não seria esta mesma a grande função/lição do Apocalipse? Nos lembrar do quão preciosa e efêmera é a vida para nos preocuparmos tanto com tantas bobagens e começarmos a aproveitar melhor a vida e o presente. Para ousarmos mais, sermos mais, vivermos mais e amarmos mais (ou pelo menos aprendermos a fazer isso).

Então vamos aproveitar para fazermos mais coisas, dar vazão àquelas coisas que sempre quisemos, mas nunca tínhamos tempo, como Evolução e Consciência, ligar para alguém, voltar a usar redes sociais, se conectar mais com amigos e famílias, criar os seus valores, criar projetos novos, voltar a brincar, voltar a sonhar, repensar o mundo após a pandemia, fazer as pazes com alguém que se brigou…

Primeiro crie um plano, pois tanto tempo livre sem uma direção mínima acaba que a gente faz menos do que fazia antes, pois a dispersão acaba estragando tudo. Não precisa ser nada complicado. Depois ponha o plano em prática e siga-o da melhor maneira possível.

Winston Churchill disse uma vez que “Nunca se deve desperdiçar uma boa crise”. E é exatamente isso. Não estamos vagabundeando e desperdiçando tempo. Estamos ganhando tempo, salvando o planeta, recuperando a vida e vivendo-a de fato.

As crises aguçam a criatividade das pessoas. Grandes inovações tecnológicas, científicas, artísticas, ambientais, filosóficas, econômicas, sociais, culturais e religiosas surgem em contextos de crise e todos juntos podem ajudar a tornar o mundo um lugar melhor, pois uns segmentos entram em baixa, mas outros entram em alta e outros tantos ainda são criados, e mais tarde, todos ajudam a reequilibrar a balança e os fluxos da realidade como um todo.

Vamos usar este tempo para olhar para dentro e acordar, aprender e crescer. Não temos nada a perder como isso e a vida deixará de ser só um arrependimento para se tornar extraordinária. Na Verdade, estamos Libertos dentro de casa.

VAMOS DESPERTAR!!!

AINDA HÁ TEMPO!!!

=============================================================================================================================================================================================================================================

VERSION IN ENGLISH

I don’t think so.

We don’t make up our lives every day. Always sighs, always devastated, always imprisoned. Doom guides our steps since long ago. And now a new epidemic has emerged so that we can review what really matters.

Pollution destroys the human being more than the plague. Individuals are not worth in anything. Nobody knows how to talk anymore without fighting. We have become just accursed robots of a deplorable reality where only the empty splendor of false conquests is sought and what is really not to be sought. Faced with this, the plague is, in fact, an enormous blessing.

And of course, none epidemic is a joke. The virus is there and no one yet understands it enough to really have effective and efficient prevention and combat. This is the purpose of quarantine. It is true. It is not fiction.

The grief of the living or dead victims is something that we need to yield condolences and improvements to. Each loss is priceless and we need to demonstrate our solidarity with each one, after all, there is only one race of human beings: the human race.

But what I mean here is to look at the epidemic as an opportunity. A loophole in our routines to do more than just routines. I can’t take my job and the life I was leading anymore and this moment is perfect for changing, airing, cleaning and laying the foundations of renovation and saving money for any trouble. Dare and turn me into something better for myself, instead of just letting the rot eat me away.

If everyone would lend itself to this, we would have a better world. However, because we are sick, rotting, dead since the loss of innocence, we need a new catastrophe to free us from torpor, which impels us to the bottom of the shit pit, with that little smile of those who think they know what they are doing, but forget that life can be something much bigger.

It is clear that the movement of the Economy is important, not least because the governments need to have something to take to invest in the lives of the people and also to avoid loans with international banks. Nobody is questioning that. But the quarantine is showing us that we don’t need to consume and consume so much. Although nobody wants it, it needs to be rethought to cover this type of situation, not least because the Planet is giving clear signs that the exploratory, neoliberal, competitive and unbridled mode of production of men is wiping out the planet.

Creation once again revolts against those who should preserve it. Adams and Evas, so accommodated with the world and so sunk in the mud of the Tree of Death, do not even want to fulfill their obligations to preserve and care for the planet. Imago Dei in Nature and in men it dies day after day. If perfection of creation reveals the greatness of the Creator, which involves the destruction of it, by our own hands?

And here comes the Crisis, to put us back on track. And wouldn’t this be the great function / lesson of the Apocalypse? Remind us of how precious and fleeting life is to worry so much about so many nonsense and begin to enjoy life and the present. To dare more, to be more, to live more and to love more (or at least learn to do this).

So let’s take the opportunity to do more things, give vent to those things we always wanted, but we never had time, gain Evolution and Counsciousness, call someone, use social networks again, connect more with friends and families, create your values, create new projects, come back to play, to dream, to rethink the world after the pandemic, to make peace with someone whose you fought …

First create a plan, because so much free time without a minimum direction ends that we do less than we did before, because the dispersion ends up ruining everything. It doesn’t have to be complicated. Then put the plan into action and follow it as best you can.

Winston Churchill once said that “a good crisis should never be wasted”. And that’s it. We are not wandering and wasting time. We are saving time, saving the planet, recovering life and actually living it. Crises sharpen people’s creativity. Great technological, scientific, artistic, environmental, philosophical, economic, social, cultural and religious innovations arise in contexts of crisis and all together can help make the world a better place.


Crises sharpen people’s creativity. Great technological, scientific, artistic, environmental, philosophical, economic, social, cultural and religious innovations arise in contexts of crisis and all together can help make the world a better place, as some segments go down, but others go up and still others are created, and later, they all help to rebalance the balance and the flows of reality as a whole.

Let’s use this time to look inside and wake up, learn and grow. We have nothing to lose like that and life will stop being just a regret to become extraordinary. In fact, we are set Free at home.

LET’S AWAKE!!!

WE STILL HAVE TIME!!!

#artigo #ensaio #critica #reflexao

Deixe uma resposta